Paulo Bomfim

Paulo Bomfim nasceu em São Paulo no dia 30 de setembro de 1926, descendendo de bandeirantes e de fundadores de cidades. As origens da temática do “Armorial” circulam em suas veias.

De seu amor à terra surge também a comemoração do “Dia do Bandeirante”, celebrado pela primeira vez em 14 de novembro de 1961.

Iniciou suas atividades jornalísticas em 1945, no Correio Paulistano, indo a seguir para o Diário de São Paulo a convite de Assis Chateaubriand onde escreveu durante uma década “Luz e Sombra”, redigindo também “Notas Paulistas” para o “Diário de Notícias” do Rio. Foi diretor de Relações Públicas da “Fundação Cásper Líbero” e fundador, com Clóvis Graciano, da Galeria Atrium. Homem de TV, produziu “Universidade na TV” juntamente com Heraldo Barbuy e Oswald de Andrade Filho, no Canal 2, “Crônica da Cidade” e “Mappin Movietone” no canal 4. Apresentou no Rádio Gazeta, “Hora do Livro” e “Gazeta é Notícia”.

Seu livro de estréia foi “Antônio Triste”, publicado em 1947 com prefácio de Guilherme de Almeida e ilustrações de Tarsila do Amaral.

Em sua apresentação, Guilherme saudava o jovem estreante como “O novo poeta mais profundamente significativo da nova cidade de São Paulo”. “Antônio Triste” foi premiado em 1948 pela Academia Brasileira de Letras com o “Prêmio Olavo Bilac”. Fizeram parte da comissão julgadora, Manuel Bandeira, Olegário Mariano e Luiz Edmundo. Publica a seguir “Transfiguração” (1951), onde envereda através do soneto inglês nos roteiros de Gama transpostos para a descoberta do mar secreto e das Índias interiores. Depois, em “Relógio de Sol” (1952) lida com a alquimia poética e lança as primeiras cantigas, musicadas por Dinorah de Carvalho, Camargo Guarnieri, Theodoro Nogueira, Sérgio Vasconcelos, Oswaldo Lacerda e outros.

Lança em 1954 “Cantiga de Desencontro” e “Poema do Silêncio” surgindo depois “Armorial” de profundas vivências ancestrais, onde o bandeirismo é projetado no reino mágico dos Mitos. “Volta proustiana ao passado paulista” como escreveu Cassiano Ricardo. Clóvis Graciano é o ilustrador dessa edição. Em 1958, lança “Quinze Anos de Poesia” e “Poema da Descoberta”. Publica a seguir “Sonetos”(1959), “Colecionador de Minutos”, “Ramo de Rumos” (1961), “Antologia Poética” (1962), “Sonetos da Vida e da Morte” (1963). “Tempo Reverso” (1964), “Canções” (1966), “Calendário” (1963), “Poemas Escolhidos” (1973) com prefácio de Nogueira Moutinho, “Praia de Sonetos” (1981), com prefácio de Almeida Salles e ilustrações de Celina Lima Verde, “Sonetos do Caminho” (1983), com prefácio de Gilberto de Mello Kujawski. “Súdito da Noite” (1992), com prefácio de Ignácio da Silva Telles e capa de Dudu Santos, “50 Anos de Poesia” com prefácio de Rodrigo Leal Rodrigues e “Sonetos” pela Universitária Editora de Lisboa.

Suas obras foram traduzidas para o alemão, o francês, o inglês, o italiano e o castelhano. Em noite memorável de 23 de maio de 1963, entrou para a Academia Paulista de Letras onde foi saudado por Ibrahim Nobre. Presidente do Conselho Estadual de Cultura e do Conselho Estadual de Honrarias e Mérito, na década de 70.

Em 1981 foi eleito Intelectual do Ano pela União Brasileira de Escritores, conquistando o “Troféu Juca Pato”.

Em 1991 recebe o título de “Príncipe dos Poetas Brasileiros”, outorgado pela Revista Brasília e o prêmio “Obrigado São Paulo”, da TV Manchete.

Entregue no Rio de Janeiro o Prêmio da União Brasileira de Escritores, por seus 50 anos de Poesia.

É hoje o Decano da Academia Paulista de Letras.

Site:  www.paulobomfim.com

7 comentários em “Paulo Bomfim”


  1. Prezado Senhor,
    Paulo Bomfim

    A Secretaria Municipal de Participação e Parceria, por meio da Coordenadoria dos Assuntos da População Negra – CONE, promove no dia 23 de abril, um evento em comemoração aos “Cinquenta Anos de Vida Literária do Escritor, Jornalista e Musicista Oswaldo de Camargo” e o Lançamento do livro “Solano Trindade, Poeta do Povo – Aproximações” de Oswaldo de Camargo.
    Assim sendo, gostaria de convidar Vossa Senhoria para participar desta homenagem a este grande escritor, que realizar-se-á, as 18h30, no Salão Nobre da Câmara Municipal de São Paulo, sito a rua Viaduto Jacareí, 100.

    Atenciosamente,

    Maria Aparecida de Laia
    Coordenadora Geral
    SMPP/CONE


  2. […] Uma delas é o amor que envolvem pessoa e obra do poeta Paulo Bomfim. […]


  3. […] o espírito se confinar em uma única forma de cultura. Talvez por isso, o que sempre admirei em Paulo Bomfim foi o seu desembaraço nos domínios mais variados. A capacidade que tem de falar com igual […]

  4. EDUARDO MATHEUS DOS SANTOS BISPO Says:

    BOM DIA

    Senhor , Paulo Bomfim , Muito boa sua Trajetoria , Quantos Premios , Quanta Intectualidade , Passei a Me enteressar Muito Pelo seu Modo de Ser , Pela Humilde vida Que o Senhor leva ..

    De : Eduardo , Neto de : Elena

    ITANHAEM 12/08/2014


  5. […] Paulo Bomfim, além dos talentos já decantados, continua a exercitar o dom de surpreender. É uma fonte insuplantável de criatividade. A pressa de seus passos, a inquietude evidenciada na sua rotina, é a mesma que o impulsiona a produzir. Aceleradamente, aos borbotões, num jorro imaginativo denso e incessante. […]


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: