Entre mitos e lamúrias

por Nilto Maciel

Imagem texto Nilto MacielEntreguei a Cleto Milani quatro livros: Cila (Cabedelo: Edição do Autor, 2013), de Ronaldo Monte; La otra oscuridad/A outra obscuridade (Mossoró: Sarau das Letras, 2013), de Luis Raúl Calvo;Vento da tarde/ Viento de la tarde (Mossoró: Sarau das Letras, 2013), de Rizolete Fernandes; e Os ossos da baleia (Vitória: SECULT, 2013), de Jorge Elias Neto. Após a leitura, trocaríamos umas ideias. Talvez a tanto não chegássemos, tão atarefado ando com meu rebanho de letras. Então se aprontasse para redigir uma resenha ou crônica. Ele sorriu. Precisa muito de incentivos desse tipo. Como se pudesse dizer ao mundo: Vejam, também sou crítico e cronista.

No sábado passado, ele apareceu. Estacionou o carro diante do portão de minha choupana e, durante cinco minutos, nos dedicamos à maluquice do trânsito de veículos, ao calor e à seca, aos assaltantes e seus asseclas da polícia, etc. O escrevinhador de resenhas espalhou os quatro volumes sobre a mesinha. Pegou o primeiro: Cila, de Ronaldo Monte. E se perdeu em parolagem sem fim. Anotei algumas frases:

“Cila, ninfa da mitologia grega, recriada por um alquimista brasileiro em pleno século XXI. E daí? Todo bardo da genealogia dos imortais, pelo menos uma vez na vida, teve esse gesto (inspiração) de recontar trecho da ‘vida’ de algum deus, alguma ninfa ou divindade superior. Ontem muito; hoje menos. De onde teria vindo o estímulo propício à elaboração do cântico consagrado a Cila? ‘Caminhava na praia entre o mar e a falésia quando avistei sobre as pedras um vulto que me pareceu de uma mulher’. Está dada a explicação? Se caminhou mesmo, se sonhou, se imaginou, não importa. Interessa-nos apenas a realidade do afresco, sua existência. Fez-se e está aí exposto ao deleite dos leitores”.

Dez minutos depois, Cleto se ergueu do sofá e passeou pela sala. Deu duas voltas, a bufar e mirar o imensurável das ideias. Ainda azedo, voltou ao assento. Agarrou Os ossos da baleia, de Jorge Elias Neto. Consegui anotar apenas isto: “Os temas frequentados pelo menestrel são os mais variados, desde a moça a sonhar até a tragédia de Realengo (a da carnificina praticada por um louco numa escola). Jorge não se omite ou não tem medo. O feiticeiro (seja do verso ou do traço na tela, do risco, do bordado ou da nota musical) ou mágico, medroso ou incapaz de se afastar das pilastras dos templos e das instituições, não será verdadeiro ou autêntico, nem quando se servir da muleta da metáfora”. 

Chegada a minha vez de espairecer, dirigi-me até a porta e ergui a cabeça na direção do último andar do prédio recentemente construído ao lado da casa onde vivo. O devasso morador do Benfica falava de Vento da tarde: “A poesia de Rizolete neste novo impresso parece mais compacta ou mais enxuta, se for possível uma poesia molhada, gorda, rotunda. Nem chega a ser poesia, se assim for. Os primeiros versos (‘Remissão’) têm essa quase densidade (será possível ou imaginável a quase densidade?). Vejamos: ‘Ah, esses negros olhos do querer / esse sorriso / que acende n’alma / o sonho e anima / o ofício de viver!’ São três as estrofes nesse diapasão, nesse narrar da entrega amorosa. A seleta está em duas línguas, a nossa e a de Cervantes”. 

Enquanto um gato percorria a extensão do muro, no rumo do quintal, o visitante se pôs a comentar La otra oscuridad: “Não são raras as incursões de Luis Raúl Calvo pelo território da arte maior, não apenas literária (Victor Hugo e Shakespeare), em alusões claras, mas também da pintura, de Van Gogh a Goya, em estudado ou voluntarioso adentrar na seara dos mais admirados criadores: ‘Siempre fue así y ella lo intuye / desde el calvario de Otelo y Desdémona’. Essa intertextualidade ou esse difícil exercício imposto ao leitor inexperiente, conduzido entre ramagens, é, na verdade, um passeio pela mais polida trilha da poesia”.  

Quando cuidei, comentava de novo a obra de Ronaldo: “Se composições poéticas não podem ser parafraseadas ou ditas em outras palavras, como se explica o feito desse vate? A ideia (o mito) é antiga, vem da Grécia. Ronaldo não está preocupado com teorias; espera por respostas às suas indagações elementares e ônticas. Sonha com visitar o templo dos deuses elementares e seu mistério. Por isso, ‘Como veio aportar nesta praia, / ao pé desta falésia sobre as pedras / que se juntam em leito / onde sonho e tempo parecem morrer?’” 

Meu amigo passou a’Os ossos da baleia: “Em Jorge o canto se constrói num ritmo alucinante, em frases curtas, diretas ou certeiras, mesmo quando envereda pelas mais sombrias ou escorregadias metáforas. Ele não se preocupa em preencher espaços no papel (pode até nem anotar nada em cadernos). Hinos traceja como quem lapida seres mitológicos. Quem sabe, escreve de olhos fechados e, só depois, reproduz no papel os rabiscos imaginados. Em linguagem comum, de prosa, ‘Portal dos anjos’ seria assim: ‘Anjos, dou-lhes de presente a minha sanidade. Sei o que me custará rolar a cabeça no acaso… Anjos de poeta não implodem, esvaem-se na cabeceira da cama do menino, retornam para a dimensão do sonho que se teve e se dispersou com a razão. Retribuo com o poema a vigília e peço que devolvam a Paulo o Patibulum e a culpa’. Esse, sim, não tem piedade de si mesmo nem medo de afrontar os deuses, os patíbulos, sejam eles de antigamente, sejam de hoje”.  

Senti vontade, mais uma vez, de me movimentar, e me pus de pé. Meu comensal se irritou: “Sente-se e anote”. Obedeci. E anotei isto: “Rizolete veleja bem pelo lirismo mais subjetivo: queixumes de mulher (‘quando anunciaste que te ias’, como nos esquecidos boleros e canções) ou lamúrias humanas de qualquer tipo (‘ao fim do dia / cinza e ouro / para receber / da noite / a travessia / sempre açoite / sempre festim / de taça única / e múltiplos brindes / à agonia / de só ser’.)” 

Ainda imobilizado, ouvi outro comentário à tecelaria verbal de Luis Raúl Calvo: “Também praticante do verso livre, Luis percorre, com liberdade, o território físico de sua Buenos Aires, com seus personagens, ou consigo mesmo, desde a infância, o pretérito mais remoto, em sonhos e aventuras. Às vezes, se perde na própria narração e faz crônica do cotidiano, dos acontecimentos banais (como em ‘Crimen pasional en la Calle Tres Arroyos’)”. 

Convidei meu conterrâneo a lanchar. Bastava de poesia naquela tarde. Chamei Alice: “Se não lhe for incômoda a pergunta, temos suco de maçã?” Vi um leve sorriso em seus olhos (pois nunca me leva a sério): “Temos torta de banana e damasco e suco de mamão com laranja”. Arrastei o vovô pelo braço: “Pois nos sirva, que este ancião está a morrer de sede e fome”.

Explore posts in the same categories: Crônica, Livros & Autores

One Comment em “Entre mitos e lamúrias”

  1. Lourdinha Leite Barbosa Says:

    Esse seu amiguinho é muito abusado e faminto, mas não posso reclamar, porque fiquei com água na boca. Quem é essa sua nova escrava Alice? Pensei que você me houvesse dito: Alice não mora mais aqui!
    Em relação aos comentários, gostei muito, principalmente da ironia relacionada às canções e aos boleros sentimentais.
    Lourdinha


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: