A MORTE DO COMPANHEIRO

Por Rubens Jardim

Impossível escrever um poema.
Impossível achar que qualquer verso pode ser uma consolação.
O mais recente companheiro morreu
na semana passada. E ele tinha um jeito
que ninguém esquece mais.

É claro que nenhum de nós poderia imaginar
o Nilo enforcado.
É claro que nenhum de nós poderia imaginar
no Nilo, um menino abandonado.

O Nilo era água limpa.
Rua inútil. Coração na sombra
–mas palpitante.

Ele dói em mim
como Itabira doeu em Drummond.

É correto pensar que as grandes guerras já terminaram.
Mas não será pertinente saber que as batalhas
ainda continuam dentro do corpo das pessoas?
Que as crianças ainda ignoram medalhas,
condecorações, exércitos e outros poderes?

E por que o Nilo nos cravou esse gesto
–que é o avesso do ensinado e aprendido–
teremos de camuflar abismos e disfarçar o grito
que a plenos pulmões proferiu Maiakovsky?

É claro que a poesia é incomunicável.

Mas diante do companheiro morto não há soluções.
Não há bálsamos. Não existem esplêndidos negócios,
glórias voláteis, nem os porões da família.

É claro que existe o pranto.
No cinema.
No teatro.
Nas poltronas.
E até no coração ondulante.

Mas diante de você, companheiro,
eu quero guardar os uivos do lobo
e a minha infinita solidão.

Explore posts in the same categories: Poemas & Poesias

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: