O Poeta Jorge Amado

Por Cyro de Mattos

Jorge Amado é prosador de linguagem sensual na recriação da vida. O prosador fluente convive com o poeta, em aliança que emerge afetiva e escorre solidária na escrita lírica. Em suas visões românticas, embora use uma linguagem denotativa, no que diz respeito aos sentidos, o prosador alcança o poeta quando transmite uma poesia  em nível sensitivo da fala. Recorre  ao cordel, logrando extrair versos populares ditos por sua própria voz, encaixados nos falares dos seus personagens ou atribuídos aos cantadores.

A Estrada do Mar é o único livro de Jorge Amado constituído de  poemas. Publicado  em 1938,  é uma  raridade bibliográfica. Apesar de tudo, não é difícil encontrar nas  histórias de Jorge Amado  pequenos e medianos poemas.  Da linguagem só amor,  o  poeta-romancista  faz a palavra ressoar como música e assim o   eu lírico pensa a vida pelo som, que lateja sentidos em diversas direções.

Em O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá, versos de Jorge Amado dizem do  mundo que só tem graça e encanto quando se vive nele fora das prisões.

O mundo só vai prestar
Para nele se viver
No dia em que a gente ver
Um gato maltês casar
Com uma alegre andorinha
Saindo os dois a voar
O noivo e sua noivinha
Dom Gato e Dona Andorinha.

           

Em Terras do Sem Fim, a alma romanceira de Jorge Amado adverte na epígrafe do livro que vai contar uma história de espantar.

Contada a história das lutas sangrentas pelo domínio das terras do Sequeiro Grande,  o poeta interfere no romancista  para relembrá-la tempos depois na voz dos ceguinhos pelas feiras.

Fazia pena, dava dó,

Tanta gente que morria.

Cabra de Horácio caía

E  caía dos Badaró…

Rolavam os corpos no chão,

Dava dor no coração

Ver tanta gente morrer,

Ver tanta gente matar.  

 

Se largou foice e machado,

Se pegou repetição…

Loja de arma enricou,

A gente toda comprou,

Se vendeu como um milhão.

 

Homem macho era Sinhô,

O chefe dos Badaró…

Uma vez, ele ia só,

Com cinco homens acabou.

Juca não era menos

Coragem nele sobrava,

E Juca não respeitava

Nem os grandes

Nem os pequenos.

 

Braz de nome Brasilino

José dos Santos se chamava,

Com ele ficava fino,

Mesmo do chão atirava,

Tanto ferido, matava.

Cantadores e violeiros comentavam  nos romances  cenas e episódios sobre a luta do Sequeiro Grande, ressaltando as figuras e os feitos, as inquietações também. Dessa maneira falavam das esposas:

Mulher casada não havia

Só se fosse na Bahia…

Por aqui já se dizia:

Casada era só projeto

– Mesmo as que tinham neto –

De viúva no outro dia.

 

Em Tenda dos Milagres,  o primeiro livro em que  Pedro Archanjo defende a raça negra e se opõe ao racismo proposto pelos catedráticos da Faculdade de Medicina, mereceu versos elogiosos dos  repentistas e poetas populares da Bahia.  O poeta Florisvaldo Mattos, vestido por Jorge Amado como repentista de fervoroso público, em festas de aniversário, batizado e casamento, glosa  a pendência:

Aos leitores apresento

Um tratado de valor

Sobre a vida da Bahia

Mestre Achanjo é seu autor

Sua pena é o talento

E sua tinta a valentia.

A publicação de “Apontamentos”, outro livro do filósofo popular, malandro e boêmio, freqüentador de candomblé e ateu, Pedro Archanjo, recebe comentários positivos de Caetano Gil, para Jorge Amado um rebelde e bravo trovador:

Mestre Archanjo foi dizer

Que mulato sabe ler

Oh! que ousada opinião

Gritou logo um professor

Onde se viu  negro letrado?

Onde se viu pardo doutor?

Venha ouvir seu delegado

Oh! que ousada opinião.

 

Depressa seu delegado

Venha ouvir o desgraçado

Oh! que ousada opinião

Gritou logo um professor

Meta o pardo na prisão

Mestre  Archanjo foi dizer

Que mulato sabe ler

Oh! que ousada opinião”.

 

Em Mar Morto, o estilo fino e colorido de Jorge Amado é vazado  numa linguagem que caracteriza bem a emoção pessoal do poeta. Seu discurso é assim revelador do modo particular de ver  os seres e as pessoas  no mundo, sendo, portanto,manifestação de boa poesia, simples e rica,  na  cadência lírica da vida.

“Lívia olha de sua janela

 o mar morto sem Lua.

Aponta a Madrugada.

Os homens,

que rondavam a sua porta,

o seu corpo sem dono,

voltaram para as suas casas.

Agora tudo é mistério.

A música acabou.

Aos poucos as coisas se animam,

os cenários se movem,

os homens se alegram.

A madrugada rompe

sobre o mar morto”.

Existe aqui uma apurada musicalidade de versos na frase, numa demonstração  sem esforço do poeta que sabe visualizar  o espírito do mundo em suas manifestações líricas, ritmadas  pelo mistério e beleza da vida. Não é por acaso que esse romance é terminado com uma alegoria poética. Sua musicalidade sustenta e repercute numa atmosfera que é recebida  mais pelos ouvidos que pelos olhos. O espírito do mundo manifesta-se através de um ritmo que sustenta com suficiência  ideias e sentimentos do poeta diante das pessoas e coisas. A dinâmica desse romance está saturada de poesia ligada estreitamente à gente do cais da Bahia.

Em Gabriela, Cravo e Canela, romance divisor de água na obra amadiana, como querem os críticos, há poemas escritos por Jorge Amado em forma de balada e  canção,  abrindo vários  capítulos. Lá estão pulsando puro lirismo “Lamento de Glória”, “Cantar de Amigo de Gabriela” e . “Cantiga de Ninar Malvina”, entre outros.  Escutem “Cantiga de Ninar Malvina”, que abre o terceiro capítulo.

Dorme, menina dormida

Teu lindo sonho a sonhar.

No teu leito adormecida

Partirás a navegar.

 

Estou presa em meu jardim

Com flores acorrentadas.

Acudam! Vão me afogar.

Acudam! Vão me matar.

Acudam! Vão me casar.

Numa casa me enterrar

Na cozinha a cozinhar

Na arrumação a arrumar

No piano a dedilhar

Na missa a me confessar.

Acudam! Vão me casar

Na cama me engravidar.

 

No teu leito adormecida

Partirás a navegar.

 

Meu marido, meu senhor

Na minha vida a mandar.

A mandar na minha roupa

No meu perfume a mandar.

A mandar no meu desejo

No meu dormir a mandar.

A mandar nesse meu corpo

Nessa minh’alma a mandar.

Direito meu a chorar.

Direito dele a matar.

 

No teu leito adormecida

Partirás a navegar,

 

Acudam! Me levem embora

Quero marido pra amar

Não quero pra respeitar

Quem seja ele – que importa?

Moço pobre ou moço rico

Bonito, feio, mulato

Me leva embora daqui,

Escrava não quero ser.

Acudam! Me levem embora.

 

No teu leito adormecida

Partirás a navegar.

 

A navegar partirei

Acompanhada ou sozinha

Abençoada ou maldita

A navegar partirei.

Partirei pra me entregar

A navegar partirei.

Partirei pra trabalhar

A navegar partirei.

Partirei pra me encontrar

Para jamais partirei.

 

Dorme menina dormida

Teu lindo sonho a sonhar.

 

Esses exemplos de versos, retirados das histórias de Jorge Amado, mostram que existe uma conexão entre o poeta e o prosador, uma aliança nítida entre o poema na prosa  e a música. De tal forma existe o discurso bonito numa linguagem simples,  na qual comparecem  o lírico, o épico e o dramático para definir o mundo sem preconceitos e prisões. Cheio de emoções e sonhos, já que na vida há sempre os intrincados e sérios problemas.

* Palestra proferida no Cabaré Literário, da Feira Literária Ler Amado, em Ilhéus, promovida pela Fundação Cultural de Ilhéus, em 10.08.2012.

** Cyro de Mattos é poeta premiado no Brasil e no exterior.

Anúncios
Explore posts in the same categories: Literatura, Poemas & Poesias

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: