Uma história de camaradagem luso-brasileira, a título de homenagem

Por Dalila Teles Veras

Sempre que recebo notícias sobre algum amigo visitado pela indesejada das gentes, sou acometida de um sentimento de remorso, por falha e omissão. A propósito, esse é um sentimento que experimento quase diariamente em relação aos amigosem geral. Asensação de que não cumpro plenamente o meu papel de amiga. Os dias velozes e aliciantes embrutecem as simples ações cotidianas. Gestos antes corriqueiramente praticados, como o de uma visita não agendada ou de um simples telefonema, a perguntar pela saúde, pela família, ficam sempre na intenção, e lá se vão os dias, os meses… por vezes anos.            

Não foi diferente quando soube da morte de João Alves das Neves, noticiada aqui no último post.

A incômoda sensação de que falhei com o amigo, não praticando nenhuma desses simples gestos nos últimos meses, permaneceu todos estes dias comigo. Incômodo remorso que transformoem lição. Emtermos de amizade, não se deve adiar nada, muito menos em relação a quem já passou dos 80 anos, mesmo que o octogenário, como era o caso do Prof. João, não cogite da “visita indesejada” e faça projetos como quem vai chegar aos 100.   

Como forma compensatória e homenagem póstuma, desde o último dia 12, leio a sua obra e lembro.

Conheci o Professor João Alves das Neves em meados de 1989. Já o conhecia sem o conhecer. Conhecia de lê-lo e isso já não é pouco. Já tinha lido alguns de seus livros e acompanhava seus textos no jornal O Estado de São Paulo (um dos maiores do Brasil, onde foi editorialista por mais de 30 anos, jornal que agora “retribui” seus serviços dedicando-lhe uma pífia nota na coluna de “Falecimentos”) e no Jornal de Letras, de Lisboa. Da apresentação passamos a uma camaradagem que permaneceu nestas últimas duas décadas.

Já no ano seguinte,1990, aseu convite, participei do I Encontro dos Intelectuais e Artistas Portugueses do Brasil, promovido pelo Centro de Estudos Americanos Fernando Pessoa, instituição por ele presidida e fundada em 1987.

Esses encontros, posteriormente internacionais, treze ao todo, sempre idealizados por ele, discutiram importantes questões literárias e culturais no âmbito dos países de língua portuguesa e foram realizados em cinco estados brasileiros (São Paulo, Ceará, Pernambuco, Rio de Janeiro e Paraná) e quatro em Portugal (dois em Lisboa e dois em Coimbra), quase sempre em parceria com importantes Universidades. O último, o XIII, foi realizado simultaneamente a um Colóquio sobre os 400 anos de Padre Vieira, no Memorial da América Latina, SP, em 2008.

Além de professor e jornalista notável, Alves das Neves foi um homem de letras que ultrapassou o papel. Incansável, suas ações, de imensa diversidade cultural, iam da promoção de seminários, encontros, colóquios e exposições, à edição de revistas, como a Revista das Comunidades de Língua Portuguesa, com 22 números, na qual tive a honra de colaborar, compondo o conselho editorial e escrevendo artigos. A abordagem priorizava as questões culturais luso-brasileiras abarcando os 8 países de língua portuguesa.

Pesquisador e divulgador incansável da literatura portuguesa no Brasil, dedicou vários números dessa revista a escritores e vultos da história luso-brasileira, como Fernando Pessoa (a figura central dos estudos do Instituto que levava seu nome); Padre Antonio Vieira, Padre Manuel da Nóbrega, Jaime Cortesão, João Ramalho, bem como números dedicados a Macau, Timor, e outros assuntos de igual relevância, quase sempre resultantes de temas apresentados em colóquios e seminários.

Com ele viajei a Paris (em 1991 – Colóquio “A IMPRENSA DE LINGUA PORTUGUESA NO MUNDO”, na Embaixada de Portugal na UNESCO, a Coimbra (1997, quando carreguei comigo toda a família) e a Fortaleza (2000) e partilhei de sua inesgotável curiosidade intelectual e prazer das viagens.

Hoje me pergunto como pude conviver tão de perto e manter tão estreita camaradagem com alguém que possuía ideias e posturas políticas diversas das minhas. Muito simples, nosso elo foi a paixão pela literatura (Fernando Pessoa na linha de frente – quantas lições sobre o Poeta eu recebi). A vontade comum em contribuir para re-ligar ações entre os dois países também nos unia.  Jamais falamos de política (partidária, no caso). Discutíamos políticas públicas culturais do Brasil e de Portugal e de suas respectivas instituições, mas jamais inveredamos por caminhos ideológicos. Tácito e cavalheiresco acordo, sabedores que éramos do pensamento um do outro, respeitando-nos um ao outro.

Em outubro de 2008, logo após o encontro no Memorial da América Latina,  escreve-me uma carta o Professor, comunicando sua demissão “irrevogável” ao cargo de presidente do CEAFP, alegando motivos de saúde. Pedia-me que o substituísse (à época eu ocupava o cargo de vice-presidente da entidade). Recusei e justifiquei, entre outros, com os seguintes argumentos: “Por fim, e mais importante, é que não me sentiria à vontade substituindo-o na direção do Centro de Estudos, pelo simples motivo de que, apesar de ter ocupado cargos em sua diretoria (para mim, muito honrosos diga-se) as idéias e as ações culturais que sempre moveram o CEAFP (louváveis, imprescindíveis, que deixaram frutos e ficarão como contribuição intelectual da mais alta relevância na cultura lusófona) foram suas,  sempre suas, como bem sabe, e a marca de sua marcante personalidade de homem de letras e de cultura ali ficou, ali está. Pouco participamos, pouco contribuímos todos nós, com toda essa bela história. Ali há uma marca, a sua, que, no meu modesto modo de  ver, não pode ser transferida, sob pena do Centro vir a ser outra coisa e, se é para ser outra coisa, que seja criada outra coisa.”

Logo a seguir, em assembléia própria, o Instituto encerrava legalmente suas atividades. Convencido, mas não conformado, imediatamente (fevereiro de 2009) rebatiza o grupo remanescente do Instituto como  “Círculo Fernando Pessoa” e funda o blog “Revista Lusofonia – blog dos países de língua portuguesa)” para onde passa a direcionar os textos (seus e de todos nós). Mudavam-se os tempos, mas a sua inquebrantável vontade não. Assim, o “seu” Instituto ganha uma nova forma de vida, virtual e dinâmica, acrescentando também um pouco mais de vida àquela, fisicamente, , já no seu ocaso. O corpo cedeu, mas o espírito não. É esse que ficará, traduzido naquilo que escreveu o Prof. João Alves das Neves. Comigo, ficará também a lembrança da boa e profícua camaradagem intelectual e humana.

E.T.: Mal coloquei aqui o ponto final, veio-me outra pergunta (cada vez mais tenho perguntas e menos certezas): seria conveniente a publicação de um texto aparentemente  auto-referente, quando a sua finalidade era simplesmente a de homenagear o outro? Como diria o Mestre Bandeira, perdoem-me, mas não pude ser outra coisa, tendo em vista meus caminhos, honrosamente, diga-se, cruzado tantas vezes com os do nosso homenageado.

Anúncios
Explore posts in the same categories: Crônica

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: