Um Poeta em São Paulo

Por Cyro Mattos 

Em “Cantos da Metrópole”, o mineiro Samuel Penido retoma a dicção nítida formulada por versos ríspidos para revelar este lado da dor nos dias intermináveis da cidade pesada e escura. Vagueia sozinho com a metrópole dando-lhe guinadas na alma, carrega de tudo o peso e o vazio. Este é o sexto livro do poeta, que estreou com “A Difícil Messe” em 1963, conquistando de pronto opiniões favoráveis da crítica e o reconhecimento do leitor. Em 1979, o poeta de lirismo que fere como seta aguda obteve com “Caos e Nostalgia e Lances” o Prêmio Olavo Bilac da Academia Brasileira de Letras.

Neste pequeno grande livro, constituído de 32 cantos, São Paulo irrompe em série da paisagem crítica habitada pela criatura estafada a vida inteira. É indagada através de imagens dolorosas sobre o caos que tenta inutilmente organizar num campo de traumas onde vivem transeuntes como larvas. A cidade de ritmo crescente e superpopulação é marcada por versos de expressiva densidade, capazes de distinguir em subterrâneos e vias o leito impossível de conciliar o sono.

A malha disparada do tráfego insano, a guerra diária armada por dentes caninos e os gritos sem resposta são motivações que impelem o poeta a seguir na rota dilacerada, para colher aqui e ali rosas irreais que cortam como faca afiada. Anônimo no lúcido ritual que anda e desanda, o poeta constata e ausculta coisas inauditas por legiões neuróticas.

“Conheço essa cidade há séculos/ não sei se por dentro/ ou por fora./ Não é de hoje que a cheiro/ como cachorro, que esvoaço/ como besouro/ contra suas vidraças/ não é de hoje que nela me perco/ como estrangeiro”.

Poeta de linguagem precisa, necessária, no alcance da visibilidade que facilita a comunicação do discurso formado em cada gesto da existência, nos vários círculos do caos e do sonho, não é por acaso que suas imagens tendem para a confirmação de um lirismo atroz naquilo que é visto e o trespassa com sofrimento. Ajusta-se assim sua poesia de visões dilaceradas ao entendimento de Ítalo Calvino quando observa que:  “diversos elementos concorrem para formar a parte visual da imaginação literária : a observação do mundo real, a transfiguração fantasmática e onírica, o mundo figurativo transmitido pela cultura em seus vários níveis, e um processo de abstração, condensação e interiorização da experiência sensível, de importância decisiva tanto na visualização quanto na verbalização do pensamento”.

Alguns desses cantos tendo a metrópole paulista como motivação poética, extraída de instantes que acontecem no anonimato de heróis comprimidos pela dura lei da vida, podem dar a idéia de fábula, forçando-nos pensar na problemática da existência por vias e arredios da cidade de ritmo que assusta. Nesse particular não deixam dúvida que são de poeta verdadeiro, chamado a traduzir os golpes que todos recebem na selva de pedra com sua gana canibal, morrendo de inanição no terminal que resvala sob um complexo de tensões, insídias, álibis, automatismo de gritos na contramão, que ora emerge do súbito rapto, ora das curvas onde pontilha sem bagagem o audaz andarilho. Uma pessoal beleza e uma técnica segura, tão do poeta, retiram o discurso da prosa poética com lições de moral, conferindo-lhe genuínos estados de espírito em versos dolorosamente carregados de observações, constatações da natureza humana atingida neste tempo assassinado por edifícios que “ tapam o brilho do céu”.

Samuel Penido, a exemplo de outros livros, possui em “Cantos da Metrópole” incrível precisão para expor o verso com uma nudez ferina, que corta algo duro de se conceber em sua fala absurda. A linguagem poética trabalhada com o esmero do artesão evidencia nesses cantos de densidade expressiva a metrópole sem face, sem nomes. Delata na relação homem e mundo o galope do medo, o escritório do indivíduo como cofre, o verde da árvore jogada no caminhão de lixo. Descobre a menina como objeto de horário integral, a viagem difícil na qual “ganhar a vida com unhas e dentes em maratona suicida” é uma partida que nunca chega.

Poeta de imagística depurada, apanhando o homem coberto de lesões, a desfilar na passarela o mais notório dos vazios, bem sabe da ausência da comunhão em versos que comportam a aproximação com a literatura mais condigna. Se literatura existe para equilibrar o homem entre os vazios, é “linguagem carregada de significado” como concebe Ezra Pound, na poética de Samuel Penido transmite sensações e estímulos até o máximo como formas solidárias, graus de compreensão entre os humanos para a valorização da vida, tão desumanizada nos tempos de hoje, principalmente onde o olhar do outro assusta como lâmina possessa à nossa espera.

Detecta-se ainda nestes “Cantos da Metrópole” uma linha de continuidade poética voltada para o ser humano incrustado no rotino mundo da grande cidade, de tantos atritos, desvairismos, corredores e sombras. Oportuno é filiar o poeta Samuel Penido à família dos que se inspiram e transpiram o desengano urbano da megalópole, com esta louca vida baralhando tormentos, promiscuidade de todos os dias, ao protagonizar o drama. Cito aqui como exemplo Mário de Andrade, Carlos Drummond de Andrade e Reynaldo Valinho Alvarez. Os dois primeiros vozes maiores de nossa poesia, o último transcende real brasileira verdade ao eleger como tema a “ cidade em grito” feita ofensa em cada gesto da existência.

Um adendo: Samuel Penido integrou várias vezes a diretoria da União Brasileira de Escriores, Seção de Paulo, com dignidade e eficiência. Faleceu em 28 de maio deste ano, na capital paulista.

Referências Bibliográficas:
“Cantos da Metrópole”, Samuel Penido, Editora do Escritor, São Paulo, 1984.
“Seis Propostas para o Próximo Milênio”, Ítalo Calvino, Companhia das Letras, São Paulo, 1999.

“ABC da Literatura”, Ezra Pound, Cultrix, São Paulo, 1990. 

Advertisements
Explore posts in the same categories: Poemas & Poesias

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: