A Fonte e a Reflexão

Crônica

 

A Fonte e a Reflexão

(Uma Espiga Vaidosa)

Teodoro A. Mendes (Tamen)

 

Sobre o mar verde do trigal, destacava-se a promessa solitária de uma espiga. (…)

Em certa manhã de Maio, o sol beijando-a na fronte, prometeu-lhe: – “Tu serás a espiga dos grandes destinos!”

Desde aquele instante a espiga cresceu, afagando a sua altíssima vocação. Por sobre a ondulação verde do trigal soprou demoradamente o vento abrasador de Julho. Baforadas de fogo doiraram as messes.

E noutra manhã apareceram uns homens armados de brilhantes foices recurvas. Na aldeia tinha soado a hora da ceifa. A espiga, ao ver como as suas outras irmãs se dobravam ao golpe da foice, exclamou, jactanciosa:

 – “A mim não me cortarão. Eu sou a espiga dos grandes destinos.”

Momentos após sentia na sua carne a mordedura do aço. E caiu de bruços sobre o sol ardente

 

Lopez Arroniz

In, Momentos

 

 

O autor coloca-nos diante de uma espiga, que pela descrição, sobrepunha o seu porte altivo bem acima das outras, o que lhe merecera um galanteio enamorado do sol que a fazia crescer, mas numa vaidade tal, que ela muito ciosa do que ouvira passou a julgar-se superior às outras companheiras do trigal, a ponto de não aceitar de modo nenhum a hora da ceifa.

Assim não aconteceu.

A reflexão que esta espiga vaidosa sugere na linha do que nos diz Lopez Arroniz, que conduz o leitor por reflexões teologais que não cabem neste apontamento, embora nos tenham moldado o reflexão, é que num certo dia, após o mangual ter desfeito a espiga sobre as lajes da eira e a mó a ter feito em farinha, sentiu uma grande alegria ao sentir-se transformada em pão.

A vaidade transformara-se em humildade e cumpria, afinal, a missão para que fora criada no trigal do lavrador. Quantos de nós, fomos ou ainda somos, como aquela espiga vaidosa, crescendo em bicos de pés, cheios de uma importância falsa?

A este propósito merece ler ou reler o Pricipezinho, de Saint-Exupéry, quando ele nos fala do quarto planeta , propriedade de um homem de negócios, que a si mesmo, para garantir, supostamente, a sua importância passava os dias ocupado em coisas menores, como contar: três e dois cinco. Cinco e sete doze… até concluir por quinhentos e um milhões, seicentos e vinte e dois mil, setecentos e trinta e um.

Interrogado pelo Principezinho sobre o que representava aquele número imenso, respondeu que era uma soma de estrelas.

– E o que fazes com quinhentos milhões de estrelas?- perguntou-lhe, este.

– O que faço? – Nada. Possuo-as.

O Principezinho após uma delonga em que ouviu outros argumentos do homem importante, disse-lhe:

– Quanto a mim, continuou ele, possuo uma flor que rego todos os dias. (…)

E rematou, afirmando, que era útil à sua flor. Quanto a ele não era útil às estrelas.

Aquele homem tinha de si mesmo uma importância falsa

A espiga vaidosa, correu o risco de se igual àquele homem de negócios. Era rica de muitos e fartos grãos que quis esconder avaramente, por cima das outras: –  A mim não me cortarão. Eu sou a espiga dos grandes destinos.

E afinal, não era.

O seu destino era outro e muito mais alto.

Por fim, devemos concluir que há imensos homens de negócios por aí, que gastam os seus dias contando e recontando estrelas, sem tempo para pensar se o que fazem é útil a alguém, deixando-se enredar no dia a dia e  tomando como essenciais, gestos inúteis que consomem tempo e paciência, num turbilhão de somas, às vezes de resultados nulos de que ninguém se serve, a começar por eles mesmos.

Como isto não conduz o homem a qualquer parcela de felicidade própria nem colectiva, é preciso rever a importância que damos a nós mesmos, e abaixada a vaidade de sermos espigas de grandes destinos, tenhamos a humildade de sermos fraternos, fazendo da espiga humana que somos pão para os outros.

 

Teodoro A. Mendes (Tamen)

Anúncios
Explore posts in the same categories: Sem categoria

Etiquetas: , , , ,

You can comment below, or link to this permanent URL from your own site.

One Comment em “A Fonte e a Reflexão”


  1. Antes de tudo, minhas sinceras congratulações pela ideia de manter um espaço na internet voltado a discutir um tema que, na minha visão, é central como a lusofonia.

    Naveguei um bocado pela vossa revista e o conteúdo me agradou muito. Tenho também revista eletrônica na internet sobre lusofonia chamada “O Patifúndio!” (www.opatifundio.com), dedicada principalmente a tratar da diversidade cultural, social e linguística nos países/territórios onde se fala o português.

    Acho que seria muito positivo para ambas as partes se pudessemos estabelecer algum tipo de parceria, seja na divulgação, na partilha de conteúdo e/ou na troca de ideias relacionadas à lusofonia.

    Um grande abraço e, mais uma vez, meus parabéns.

    Michell Niero


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: